Inicial > Uncategorized > Casca de banana pode despoluir a água

Casca de banana pode despoluir a água

Pesquisa feita por Milena Boniolo, Doutoranda em Química na Universidade Federal de São Carlos, pode ser a solução para resolver um grande problema na poluição da água. A matéria foi republicada em fevereiro de 2011 pela Revista Super Interessante.

 

Leiam abaixo a matéria na íntegra.

 

Só na Grande São Paulo, quase quatro toneladas de cascas de banana são desperdiçadas, semanalmente, nos restaurantes. Foi esse dado, divulgado em uma reportagem sobre desperdício de alimentos, que estimulou a doutoranda em química Milena Boniolo a pesquisar uma utilidade para as cascas de banana. E ela encontrou: despoluir a água contaminada por metais pesados.

O processo é simples e funciona graças a um dos princípios básicos da química: o dos opostos que se atraem. Na casca da banana, existe uma grande quantidade de moléculas carregadas negativamente, enquanto os metais pesados são positivamente carregados. Logo, quando colocada na água, a casca da banana atrai para si os metais.

Para que dê conta do recado, no entanto, ela precisa ter suas propriedades potencializadas. Milena Boniolo também descobriu uma “fórmula” bem simples para isso: em uma assadeira, as cascas devem ficar expostas ao sol por cerca de uma semana. Em seguida, elas são trituradas e peneiradas. No fim, é essa “farofa de casca de banana” que será jogada na água para despoluir o recurso.

Segundo a pesquisadora, 5 mg do pó de banana são suficientes para despoluir 100 ml de água. Mas, para alcançar altos níveis de limpeza, é preciso repetir o processo mais de uma vez. Isso porque, em testes de laboratório, a casca de banana conseguiu “chupar”, de primeira, cerca de 65% dos metais pesados que estavam na água.

Agora, Milena Boniolo procura patrocínio para aplicar essa técnica em grande escala. Já que casca de banana é o que não falta…   

Texto extraído do Site da Revista Super Interessante: http://super.abril.com.br/blogs/planeta/casca-de-banana-pode-despoluir-a-agua/

Reconhecida como pesquisadora de talento extraordinário, MILENA recebeu em maio/07 o Prêmio Jovem Cientista, edição 2006, na categoria graduados, com o trabalho “Uso da casca de banana para tratamento de efluentes radioativos”, que fez parte de seu projeto de mestrado desenvolvido em pesquisa no Centro de Química e Meio Ambiente do Ipen.

 

Assistam também ao vídeo exibido no Globo Repórter

 

Anúncios
  1. patricia
    01/07/2011 às 16:58

    Boa tarde, eu tenho várias dúvidas que o vídeo não esclarece:
    1- eu posso descontaminar a agua em casa e ingerir esta agua? devo passar na peneira para descartar o pó da casca de banana?
    2- já existe algum filtro a base de casca de banana, ou ao menos, algum projeto?
    3- posso colocar o pó da casca de banana diretamente em um garrafão de 20 litros, qual a quantidade que devo colocar?
    4- Pode me enviar o contato da Milena para eu tirar algumas dúvidas?
    Eu tive uma grande intoxicação por metais pesados e meu corpo não tolera mais, razão pelo meu interesse no filtro de casca de banana.
    Obrigada

    • 01/07/2011 às 21:09

      Boa noite Patrícia, eu poderia tentar sanar algumas de suas dúvidas, mas a Milena é a pessoa ideal para respondê-la.
      Vou entrar em contato com a Milena e comentar sobre o seu caso, então, assim que ela me responder entrarei em contato contigo.
      Você poderia contar mais detalhes sobre sua intoxicação? Como começou, motivos, diagnósticos pelos médicos, tratamentos, etc.
      Desejo melhoras!!!!!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: